segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

O amor é uma festa surpresa

"É o problema do amor: nunca conseguimos alcançar o outro. Damo-nos mais com as pessoas com quem nos escapa sempre alguma coisa."
Manuel António Pina em entrevista ao iOnline, 18/2/2012

Se nunca houver imprevisibilidade nas pessoas com quem nos damos, deixa de haver um propósito em estar junto. O amor é a surpresa das coisas a cada dia que passa. Gosto de pensar que é a surpresa das coisas boas. Mas na vida as coisas não são como a roda dos alimentos, em que o que é carne é carne e o que é peixe é peixe. Pão, pão. Queijo, queijo. E, por isso, o amor traz quase sempre consigo a inevitável surpresa das coisas más e a insegurança perpétua de nunca alcançar o outro. De não reconhecer. De não compreender. De chegar ao fim do dia e aterrar de cabeça na conclusão de que pode não ter feito sentido. O amor é uma festa surpresa. De vez em quando, corre bem.

Foto licenciada em Creative Commons por  W Mustafeez

2 comentários:

C. disse...

e quando não é uma festa surpresa mais parece um funeral :/

Rute Correia disse...

São aquelas que correm mal...