sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Regresso

O problema do regresso é que o que deixamos à nossa espera raramente é o que temos de volta. O que mudamos com as viagens, mudam os outros com a espera. As certezas mantêm-se, mas as rotinas deixam de existir. E o coração, que é de vidro, ou de cristal, ou de outra coisa qualquer que quebra à tua passagem, estala à espera do dia em que o vais partir.

Quanto mais o partires, mais peças vais ter de montar.

4 comentários:

Inês disse...

medo.

Rui Oliveira disse...

olha: perfeito

Skizo disse...

eu nao percebo nada!

Cacá disse...

está tudo aí.